ANFIP esclarece argumentos falaciosos do governo na reforma da Previdência

Capitalização está consolidada na reforma da Previdência, alerta ANFIP
12 de setembro de 2019
Pesquisadores descobrem trapaça do governo em cálculos da reforma da Previdência
17 de setembro de 2019

Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) realiza audiência pública interativa para debater "Previdência e Trabalho", com foco na Previdência que queremos. rrMesa: rconsultor legislativo do Senado Federal, Luiz Alberto dos Santos; rvice-presidente de Estudos e Assuntos Tributários da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Previdência Social (Anfip), César Roxo - em pronunciamento.rrFoto: Geraldo Magela/Agência Senado

O vice-presidente de Estudos e Assuntos Tributários da ANFIP, Cesar Roxo Machado, alertou em audiência pública no Senado Federal que o governo utiliza premissas verdadeiras com conclusões falsas para justificar a reforma da Previdência. O debate para tratar da Proposta de Emenda Constitucional (PEC)06/2019, foi realizada na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), nesta sexta-feira (13/9).

“O governo usa argumentos falaciosos para justificar esta reforma da Previdência. As premissas são verdadeiras, realmente há um grande deficit primário na União, as despesas com a Previdência impactam esse resultado, a expectativa de vida das pessoas tem aumentado, os Estados estão quebrados e não sobra dinheiro para educação e investimentos. No entanto, as conclusões são falsas. A Previdência Social não é a grande culpada pelo deficit primário, o país não precisa desta reforma para evitar quebrar e a reforma não fará o país voltar a crescer”, explicou o representante da ANFIP.

Segundo ele, o problema das contas públicas é o baixo desempenho da economia, não é o aumento das despesas. “O Produto Interno Bruto (PIB) esse ano não vai chegar a 0,5%. Nos últimos anos sequer recuperou aquela queda de 7,4%, que teve entre 2015 e 2016. Se nós olharmos o crescimento da dívida, das despesas e das receitas da União ao longo dos anos vamos verificar que as receitas seguem uma linha, sempre maior, em relação as despesas. O superávit estava se mantendo ao longo dos anos, isso só mudou em novembro de 2014. O deficit primário não tem as despesas como causas, o que gera o problema é a redução das receitas. Isso o governo não fala”, disse.

Cesar Roxo aponta um caminho de saída que não seja o desmonte do sistema previdenciário brasileiro. “A conclusão que chegamos é simples, é a de que o país tem que voltar a crescer. E para isso duas coisas são necessárias: manter o Estado Social, que está sendo destruído, e fazer uma reforma tributária. As coisas se inverteram, a reforma tributária vai sair depois da reforma da Previdência. Deveria ser o contrário. O problema do país é que a economia não cresce, existe uma grande insegurança jurídica e o nosso sistema tributário é regressivo. Isso é que precisa ser alterado. A manutenção de um sistema tributário regressivo vai acentuar as desigualdades de renda, as desigualdades sociais e gerar muita instabilidade no país. Será que as pessoas não veem isso?”, afirmou o vice-presidente.

De acordo com César Roxo, o governo diz que a economia não vai crescer se não houver a reforma da Previdência. “Isso não é verdade. Os investidores querem um país onde haja segurança jurídica, eles querem um país onde as pessoas tenham dinheiro em mãos para que esse dinheiro circule e que a economia cresça. É isso que os investidores querem e não uma reforma da Previdência. Mas não é isso que está sendo vendido para a população”.

Desonerações e renúncias fiscais

O vice-presidente da ANFIP alertou sobre o impacto das várias desonerações concedidas ao longo dos anos, desde 1995. “A renúncia em razão da imunidade na exportação de produtos rurais foi de R$ 7,3 bilhões. Os produtores rurais pessoa jurídica tiveram uma redução de contribuição de 2% para 1,7%. O que se perde com isso? A renúncia estimada para 2019, só com a redução da alíquota de 2% para 1,2% do produtor rural, é de R$ 3,2 bilhões. São R$ 10,5 bilhões de renúncia só neste segmento. Quando vamos para as associações desportivas que mantém os clubes de futebol, notamos que essa contribuição está substituída por uma contribuição reduzida de 5% sobre a receita dos jogos. As empresas optantes pelo Simples Nacional, que têm uma tributação sobre a receita, a perda que a União tem é de R$ 89,3 bilhões. A desoneração da folha de pagamento das demais empresas teve uma média de renúncias de R$ 15 bilhões por ano, desde que foi implementada”, enumerou.

E não são somente estas renúncias, como complementou Cesar Roxo. “As entidades filantrópicas também contabilizam uma renúncia fiscal de R$ 24 bilhões. Se nós formos pegar as outras renúncias que a União tem com dados da Receita Federal, são R$ 306 bilhões previsto para 2019.  O governo quer reduzir benefícios para manter uma economia ao longo de 10 anos de R$ 1 trilhão. Mas com as renúncias, com os benefícios fiscais, só em 2019, somam R$ 306 bilhões. Foram cerca de R$ 2,3 trilhões, em dez anos, que o governo federal abriu mão.’

Durante o debate, o representante da ANFIP destacou que esse é o ponto que contém as falácias do governo. “O governo diz que o problema é a Previdência, mas não é a Previdência. O problema está na receita, não só em função da conjuntura econômica que diminui as receitas, mas também porque as poucas receitas que o governo teria, ainda abre mão”, afirmou, acrescentando que, nos últimos dez anos, o governo retirou cerca de R$ 71,8 bilhões da Seguridade Social por meio da Desvinculação das Receitas da União (DRU).

César Roxo lembrou, ainda, que a Lei prevê que a União seja responsável pela cobertura de eventuais insuficiências financeiras da Seguridade Social. “E eu digo que é eventual mesmo, porque a Seguridade sempre foi superavitária, conforme constatado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), realizada pelo Senado Federal”, disse.

Diferença entre os Regimes de Previdência

Em sua apresentação, Cesar Roxo afirmou que o governo faz uma “salada de frutas” propositalmente ao falar sobre a reforma da Previdência para confundir a sociedade. “Existem dois regimes no nosso sistema previdenciário, o Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS). São distintos. E o governo não diz isso. Quando se fala em deficit da Previdência, se fala como se ela fosse uma só, e não é. Falar que é deficitária, como o governo fala, é diferente de falar que a Previdência está com deficit. Quando se fala que a Previdência é deficitária se quer passar uma ideia ruim, e isso não é verdade”, argumentou.

César Roxo explicou que o orçamento da União é dividido em três orçamentos, conforme previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA), o Fiscal, o das Estatais e o da Seguridade Social. “No Orçamento Fiscal devem constar as receitas e despesas dos Regimes Próprios. No da Seguridade Social, as do Regime Geral. O resultado médio da Seguridade Social de 2005 a 2015 teve um superávit anual em torno de R$ 61 bilhões, mesmo com o deficit nos últimos três anos. Esse deficit é conjuntural. A saída é aumentar a economia, aumentar o PIB e acabar com esse discurso”, concluiu o vice-presidente de Estudos e Assuntos Tributários da ANFIP.

A audiência pública foi presidida pelo senador Paulo Paim (PT/RS) e contou com a participação do assessor da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Antônio Alves de Azevedo;  do consultor legislativo do Senado Federal, Luiz Alberto dos Santos; do secretário de Assuntos Jurídicos e Legislativos da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Gabriel Magno Pereira da Cruz.

× Dúvidas?